segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

IEF abre as comemorações do 70º aniversário do Parque do Rio Doce

Mais de 40 lagoas, árvores centenárias, madeiras nobres de grande porte e uma infinidade de animais nativos compõem o cenário do Parque Estadual do Rio Doce

TIMÓTEO - O Instituto Estadual de Florestas (IEF), em parceria com a Prefeitura de Timóteo, abre nesta quinta-feira (30), às 9:00h, as comemorações oficiais dos 70 anos de fundação do Parque Estadual do Rio Doce. As festividades, que vão durar o ano inteiro, serão iniciadas com um encontro na Associação dos Aposentados e Pensionistas de Timóteo, no bairro Olaria, para homenagem a 21 colaboradores que contribuíram de forma significativa para o crescimento e desenvolvimento da reserva ambiental.
Durante o evento desta quinta-feira será apresentado o cronograma de atividades comemorativas do aniversário do Parque do Rio Doce, a primeira unidade de conservação de Minas Gerais, criada oficialmente no dia 14 de julho de 1944, pelo Decreto Lei nº 1.119. A programação acontecerá durante todo o ano, tendo seu ápice em julho.

DOM HELVÉCIO
As comemorações dos 70 anos do PERD vão também homenagear o bispo Dom Helvécio Gomes de Oliveira, audacioso visionário com grande atuação ambientalista na região que ficou conhecida como o Vale do Aço. Foi Dom Helvécio – que dá nome à principal lagoa da reserva – quem iniciou a luta pela preservação da maior porção contínua de Mata Atlântica de Minas Gerais, no início da década de 1930, mas foi só em 1944 que criou-se oficialmente o Parque do Rio Doce.
O IEF, através do escritório regional Rio Doce e da administração do PERD, está mobilizando instituições parceiras e comunidades do entorno para participar do encontro nesta quinta-feira. O evento servirá também para consolidar a iniciativa de construção de uma grande rede de cooperação com foco na conservação ambiental, desenvolvimento sustentável e bem estar das comunidades locais.

PATRIMÔNIO NATURAL
Mais de 40 lagoas, árvores centenárias, madeiras nobres de grande porte e uma infinidade de animais nativos compõem o cenário do Parque Estadual do Rio Doce. As lagoas abrigam uma grande diversidade de peixes, que servem de importante instrumento para estudos e pesquisas da fauna aquática nativa. O PERD possui também um herbário, que, de forma sustentável, possibilita a identificação de espécies através da análise de suas características morfológicas, constituindo a base de inúmeras pesquisas.

FAUNA E FLORA
Na reserva é possível encontrar espécies da avifauna, como o beija-flor besourinho, chauá, jacu-açu, saíra, anumará, entre outros. Animais conhecidos da fauna brasileira também são frequentes, como capivara, anta, macacos-prego, sauá, paca e cotia, além de espécies ameaçadas de extinção, como a onça pintada, o macuco e o mono-carvoeiro, maior primata das Américas.
O Parque do Rio Doce ocupa uma área de 35.974 hectares e oferece também uma completa infraestrutura para atendimento a turistas e pesquisadores. Localizada a 248 quilômetros de distância de Belo Horizonte e a aproximadamente 20 quilômetros de Timóteo, a reserva ambiental ocupa mais de um terço da área do municípios, além de territórios de Marliéria e Dionísio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário