terça-feira, 25 de junho de 2013

Chapada dos Veadeiros inaugura primeira travessia com pernoite

Cachoeira no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Foto: Nelson Yoneda

A partir de agora, aventureiros e amantes da natureza terão a oportunidade de conhecer mais a fundo o bioma Cerrado com o roteiro recém-lançado que explora as belezas naturais da Chapada dos Veadeiros, na região nordeste de Goiás, a cerca de 200 quilômetros de Brasília. A Travessia das Sete Quedas é o novo atrativo do parque nacional gerido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e é ainda a primeira trilha com pernoite formalizada no estado de Goiás.
São 23 quilômetros de trekking pelo cerrado que podem ser feitos em dois dias em um ritmo tranquilo para apreciar a riqueza da Chapada. Para os mais experientes e com pouco tempo, é possível fazer a caminhada em apenas um dia. Quem explica é a analista ambiental Carla Cristina Guaitanele, chefe do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros,

“A trilha está nos planos do parque há uma década. Era uma antiga trilha do garimpo e já estava no nosso planejamento, mas só agora tivemos a oportunidade de implantar”, disse a ((o)) Eco.

A execução com o traçado do percurso e sinalização levou cerca de um ano para ser concluída e contou com o apoio de uma equipe de consultores do ICMBio e de, pelo menos, 15 guias locais que se voluntariaram para ajudar na demarcação.

Guaitanele explica que, primeiro, foi feito um mapeamento do atrativo, o traçado da rota, uma avaliação da fauna e flora e o manejo em si. A trilha é considerada difícil, apesar de ser plana e ter pouco desnível. Pega-se muito sol em trechos descampados e pode ser bem quente nos períodos de seca, além de ter pouca sombra. A travessia só será aberta na época de seca, nos meses de maio a outubro.

Trilha leva dois dias

A travessia tem início no centro de visitantes próximo à vila de São Jorge. O horário indicado para começar a caminhada é entre 6h e 9h. No primeiro dia, o percurso é de 17 quilômetros. As duas primeiras horas de caminhada (5 km) fazem parte já do roteiro dos Cânions, depois são mais 12 km atravessando o Rio Preto – dos quais 2 km de caminhada até o rio e mais 10 km numa área de campo limpo florido que levará ao principal atrativo, as Sete Quedas. A previsão recomendada para chegar às quedas é entre 14h e 16h, quando ainda sobra tempo para aproveitar a luz do sol.

Guaitanele descreve as quedas como cachoeiras de pequeno porte mas que proporcionam uma visão cênica de 360º. Além do banho nas piscinas naturais e uma caminhada pelas quedas para avistar o rio Preto que são algumas opções para complementar o passeio. A água na Chapada, em geral, é bem gelada.

O visitante pode ainda pernoitar numa área preparada de camping com capacidade para 17 barracas a uma distância de 150 metros das quedas.

O visitante pode ainda passar a manhã do segundo dia no atrativo. A orientação é retornar entre 11h e 12h. São três horas de caminhada. A travessia termina na GO-239, rodovia estadual de terra batida que liga São Jorge a Alto Paraíso. É possível contratar um serviço de uma operadora local para buscar o visitante no final da caminhada.

O parque não cobra ingresso, nem o pernoite, mas o visitante deve levar todos os apetrechos que necessita para acampar e alimentos. Há ainda uma grande variedade de serviços turísticos que oferecem guias locais e agências para dar mais infraestrutura. Mas a trilha pode ser feita sem guia. O parque pretende ainda disponibilizar o contato de empresas de viagem no seu site.

Lembrando que, para realizar a travessia, é preciso agendar no próprio site com pelo menos 5 dias de antecedência. A travessia terá capacidade para 30 pessoas por dia.

O parque abre de 8h às 18h, já os visitantes agendados para a travessia poderão acessar a unidade mais cedo, às 6h. O parque ainda oferece mapa e guia de bolso para os visitantes.

Diversidade do cerrado
Travessia das sete quedas. Foto: Leonardo Milano / Divulgação ICMBio
“A trilha é um grande aprendizado sobre as fisionomias do cerrado. Durante a caminhada podemos avistar veados e emas”, destaca Guaitanele, chefe do parque.

Fábio França foi um dos responsáveis pela implementação da trilha e lembra que as primeiras viagens de reconhecimento ocorreram em março de 2011 para definir os principais pontos. Entre dezembro de 2012 e maio 2013, a equipe trabalhou para fazer a trilha acontecer.

A caminhada foi planejada para ser autoguiada e, assim, valorizar a experiência de percorrer o trajeto a fim de conhecer a ecologia do cerrado.

“O interessante nessa travessia é que a paisagem é sempre diferente, tem-se a sensação de que se está descobrindo uma coisa nova com cachoeiras, rio, uma subida com desnível de 60 metros com direito a uma visão panorâmica do parque e quedas que agora estão habilitadas para receber visitantes”, disse à ((o))eco Fábio França.

Para ele que já realizou a travessia umas 10 vezes, ver tantas pessoas animadas com este atrativo ecológico é uma sensação de recompensa.

“Será a experiência de viver a natureza, ver o pôr do sol e acordar com os passarinhos, além do platô, um campo limpo que proporciona uma ampla visão. É uma bela travessia”, definiu França.

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros foi criado na década de 60 e protege uma área de 65 mil hectares de cerrado. A região se caracteriza por diversas formações vegetais, centenas de nascentes e cursos d´agua e formações rochosas com mais de um bilhão de anos.

O parque preserva ainda áreas de antigos garimpos, como parte da história local e foi declarado Patrimônio Mundial Natural pela Unesco em 2001.

A Chapada recebe em média 22 mil visitantes por ano que percorrem os 46 quilômetros de trilhas. Além da travessia das Sete Quedas, o visitante pode ainda conhecer os cânions, saltos e fazer a trilha da Seriema.

Artigo por Fabíola Ortiz
24 de Junho de 2013.

4 comentários:

  1. Que os nosso Parques possam seguir o exemplo... Mas tem que cobrar uma taxa, para se valorizar e ajudar na manutenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa prática está se tornando tendência. Em vários Parques em MG já podemos perceber que além da cobrança da taxa de ingresso, os passeios desse tipo são cobrados a parte.

      Excluir
  2. Como você conseguiu colocar as fotos nesta disposição? já tentei de várias maneiras e não consegui.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão, copiei da página e colei no editor. Até por isso elas ficaram fora do limite da página, mas não consegui editar de maneira alguma. rsrsrsrs

      Excluir