sexta-feira, 27 de junho de 2014

Liberdade aos tamanduás


Foto: Maricéia Pádua
Dois tamanduás, vítimas de atropelamento em uma das rodovias que cortam o Estado de Minas Gerais, foram resgatados pela Polícia Militar de Meio Ambiente e encaminhados ao Laboratório de Pesquisa em Animais Silvestres da Universidade Federal de Uberlândia. Depois de passarem pelos cuidados dos médicos veterinários e receberem alta, foram soltos na Reserva Particular do Clube Caça e Pesca Itororó de Uberlândia. 

Na tarde do dia 18 de junho de 2014, foi realizada a soltura de uma fêmea de tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) e de um macho de tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla), na Reserva Particular do Clube Caça e Pesca Itororó de Uberlândia.
Os animais, vítimas de atropelamento, foram encaminhados ao Laboratório de Pesquisa em Animais Silvestres da Universidade Federal de Uberlândia (LAPAS/UFU), após serem resgatados pela Polícia Militar de Meio Ambiente (PMMA). Os tamanduás ficaram provisoriamente sob os cuidados da equipe de médicos veterinários do LAPAS/UFU, coordenado pelo Prof. André Luiz Quagliatto Santos, até se recuperarem e receberam alta. Posteriormente, o professor entrou em contato com o Instituto Estadual de Florestas (IEF) para solicitar a autorização para soltura dos animais.  
Após emissão da autorização para soltura pelo IEF, a PMMA foi ao LAPAS/UFU buscar os animais. Os médicos veterinários avaliaram o estado dos mesmos, não havendo necessidade de sedá-los. Os animais foram então acondicionados adequadamente em veículo de transporte e encaminhados à Reserva Particular do Clube Caça e Pesca Itororó de Uberlândia. A PMMA e a equipe do Instituto Estadual de Florestas (IEF) foram os responsáveis pela soltura dos animais. 

Foto: Maricéia Pádua

Foto: Maricéia Pádua
A Reserva Particular do Clube Caça e Pesca Itororó de Uberlândia é composta por vegetação secundária de Cerrado (Campo sujo), Matas de Brejo, Veredas (buritizal), nascentes, pastagens e córregos. A área possui 640 hectares e encontra-se em ótimo estado de conservação, com fauna e flora preservadas, configurando-se como um ambiente apropriado para a sobrevivência dos tamanduás. A Reserva é um dos únicos remanescentes representativos de Cerrado da região e sabe-se que abriga espécies como o tamanduá-bandeira e o tamanduá-mirim. Portanto, é de extrema importância a sua conservação para a preservação destas e de outras espécies. 

Foto: Maricéia Pádua

Foto: Maricéia Pádua

Foto: Maricéia Pádua

 Artigo: 
Cyntia Ribeiro
Bióloga da Coordenadoria de Pesquisa e Proteção à Biodiversidade

Maricéia Pádua
Coordenadora de Pesquisa e Proteção à Biodiversidade
Escritório Regional Triângulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário